terça-feira, 1 de abril de 2014

Carta ao vento




O vento pode ser um bom amigo, se você pedir a ele para não contar os segredos de seu coração. E eu pedi que ele só me ouvisse confessar o meu maior defeito... Dos momento em que mergulho num egoísmo profundo e me camuflo entre os galhos seco de um amor desiludido e mal resolvido.
Vai vento, leva minha confissão!
- Eu sou tão egoísta que não posso ficar feliz vendo você feliz com outra pessoa. Te desejar felicidades? Sim, eu desejo, mas se não for comigo, que seja bem longe de mim, para eu sofrer menos; para que eu só possa lembrar dos momentos bons que tivemos. Então me desculpe se, ao passar por você, a partir de hoje, a minha alma entristecer, é que o que eu mais temia veio a acontecer... Era ver você está feliz sem mim. Eu sou tão egoísta ao ponto de não querer mais te encontrar, para não chorar quando você for embora, levando a leveza que seu ser me envolve sem pedir nada em troca.

6 comentários:

  1. Muito bonito esse seu post. Meus parabéns.

    Arthur Claro
    http://www;arthur-claro.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Triste! Mas bonito.
    Não acredito que seja egoísmo não querer mais ver uma pessoa que não nos quer.
    Uma coisa é não querer ver, outra é querer mal.

    Histórias, estórias e outras polêmicas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pelo comentário, Claudio.
      Verdade, tem razão em seu comentário.
      Volte sempre!

      Excluir
  3. PS: Não sei se já te avisaram que estás com a verificação de palavras nos comentários, o captcha.
    Se quiser tirar, o que eu recomendo, e não souber, no meu blogue tem um banner "Campanha No Captcha" que te leva para um tutorial que mostra como tirar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pelo aviso, acabei de retirar. Mas irei ver seu post mesmo assim. =]

      Excluir

Obrigada por interagir no blog.
Seja sempre bem-vindo e comente o quanto quiser!

"Pra fazer poesia
tem que ter inspiração,

Se forçar...
Nunca vai ficar boa" - Vinícius de Moraes.

"Enquanto Eu tiver perguntas e não haver respostas... Continuarei a escrever"

- Clarice Lispector.

Meu mundo infinito particular:

Eu, somente eu
Escrito por mim sozinho
Ninguém mais do que eu
Minha voz, sou eu sozinho

De fato é difícil conviver assim
Com tudo aquilo que eu quero de mim
De fato é pesado ter que aceitar
Toda a realidade que sinto no ar

Por isso a poesia não me abandonou
nunca Me deixou
Por isso a poesia não me abandonou
nunca me deixou - A Poesia e Eu #Catedral.


Música e poesia, uma combinação perfeita para que eu entre nesse meu mundo particular, onde a natureza faz rimas só pra mim, e eu vivo infinitas possibilidades.

Inscreva-se

FeedBurner FeedCount

NOTA

A maioria das imagens inseridas nas postagens deste blog são retiradas da internet, sem a menor intenção de adquirir os direitos autorais destas. Assim, se alguém sentir-se prejudicado ou incomodado com o uso de sua imagem, entre em contato* e a imagem receberá os devidos créditos ou será retirada deste blog, como o possuidor dos direitos desejar.

*Ver aba de contatos.